WhatsApp: (51) 99194-0018 / E-mail: secretaria@abmfr.com.br

Dor crônica é diagnosticada com frequência

A dor pode ser definida por experiência sensitiva e emocional desagradável associada ou relacionada a lesão real ou potencial dos tecidos, de acordo com a Sociedade Brasileira para o Estudo da Dor. Já para os pacientes, a definição não importa muito, apenas conseguir expressar ao profissional médico sua localização, intensidade e consequências são as principais questões para o portador da dor, vista cada vez com mais frequência nas consultas.


Mulheres e idosos estão em maioria quando se trata de levantamos estatísticos sobre dor. Dores eventuais, facilmente identificadas são comuns e dificilmente, ou impossível, um indivíduo não registrar algum tipo de dor em determinado momento da vida.
Já a dor crônica, normalmente de origem muscoesquelética, vem afetando mais e mais pessoas pelo mundo afora. Tanto que os estudos sobre dor crônica registram crescimento na medida em que se verifica a sua ampliação, registrada em consultas com profissionais habilitados, pois o número de casos em que a dor crônica se torna incapacitante cresce na mesma medida, prejudicando não apenas o paciente, mas tendo reflexos no ambiente familiar e profissional, sem mencionar a saúde pública e privada.
Estudos afirmam que uma dor tem mais chances de se tornar crônica após 14 dias mesmo que não seja muito intensa, incapacitante ou que não prejudique significativamente a qualidade de vida do indivíduo. A dor, seja de qual tipo for, é o sintoma que mais leva pacientes aos consultórios médicos. Por isso, é preciso disseminar a informação de que sentir dor não é normal. A população precisa ser esclarecida de que um dor sem causa aparente e persistente deve ser investigada a fundo, pois as chances de que venha a se tornar um dor crônica e passe, num futuro, próximo, a prejudicar a qualidade de vida do indivíduo são muitas.
Nesse sentido, a área médica que lida diretamente com gestão e tratamento da dor crônica cresce de importância, fazendo com que seus especialistas médicos se tornem profissionais cada vez mais procurados por pacientes que querem se livrar do incômodo da dor.